A voz

Liga-lhe
Para que a noite não comece sem ela
E as mãos que enrolam abracem
E a voz fale o que sinto
E o tremor do desejo toque
Tão fundo quanto o olhar consegue
E venha a sua mão descobrir-me

Não ligues
O desejo inconsequente não sabe o caminho
E o coração está demasiado longe do olhar
E é cego ao meu conhecimento
Lembra-te do passado e das memórias
Dos caminhos perdidos e dos passos errados

Liga
Sem medos nem esperanças
Apenas porque quero ser eu a falar
Para que a voz de mão dada comigo
Possa sorrir sem falar
E dar em silêncio o teu olhar

Espera
Dá o tempo da descoberta
E ao encontro
Responde com um beijo

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.